Ultimamente Michael vem aproveitando seu tempo apoiando os jovens talentos do kart. Longe das motos, do pitwall e da imprensa com memória curta, ele se dedica a sua equipe KSM, principalmente oferecendo dicas aos kartistas e dando aquele incentivo durante a entrega dos prêmios. As corridas são realizadas na mesma pista que Schumacher começou a ganhar notoriedade e foi fundada pelo falecido piloto de F1, Wolfgang Von Trips (nota seu nome ao fundo em algumas fotos).

 

Existe uma certa confusão quanto à pista pertencer ou não a família Schumacher. Na verdade, em 1997, Michael construiu outro centro de eventos com pistas indoor e outdoor em Kerpen-Sindorf, essa sim é administrada por seu pai.

Rolf Schumacher foi por bom tempo funcionário da pista em Kerpen-Manheim, trabalhando na manutenção da mesma enquanto sua esposa Elizabeth Schumacher era dona da lanchonete que ficava bem ao lado da pista. No período que Michael foi kartista, ele não teve privilégio algum, muito pelo contrário, pelo fato de seu pai ser um simples funcionário, Michael não podia dar-se ao luxo de atrapalhar as corridas dos sócios que pagavam para ter do bom e melhor. Vivia de peças e pneus jogados foras pelos kartistas que podiam sempre repor o equipamento quando este apresentasse o mínimo defeito. Como Michael disse uma vez as peças eram de 12ª, 13ª mão.

  

Sem o investimento de Gerhard Noack no início da carreira, dificilmente Schumacher avançaria para as outras categorias e chegaria no topo delas. Não basta ter talento sem ter incentivo.