Gerhard Noack era um apaixonado por corridas, principalmente corridas de kart. Ajudou Michael não só lhe dando um kart, como também nos ajustes e manutenção do mesmo. Já que seu pai Rolf não tinha condições financeiras de bancar um esporte tão caro. Gerhard Noack ficou convencido do talento de Schumacher após vê-lo pilotar. Quando Michael começou a competir para valer, Noack não poderia mais ajudar Schumacher, pois ele não tinha meios financeiros de suportar um Campeonato Alemão ou Europeu de Karting. Então, Adolf Neubert, o primeiro comerciante de karts da Alemanha, deixou Michael pilotar na sua equipe a partir de 1985.

 

 

 

Noack já foi dono de uma das maiores lojas de karts da Alemanha, além de fundar sua própria equipe de karting KSN, que depois foi gerenciada por seu amigo Peter Kaiser e após a aposentadoria de Schumacher, ele entrou como sócio mudando o nome da equipe para KSM (Kaiser, Schumacher e Muchow) Agora ele se dedica a desvendar novos talentos e gerenciar suas carreiras. Ele apoiou praticamente todos os atuais pilotos mais importantes da Alemanha. Sua última descoberta foi Sebastian Vettel que provou ser um fora da série no karting. Ele o ajudou desde do karting até levá-lo a Fórmula 1.

 

 

Numa entrevista para Express dessa semana, ele falou um pouco das suas descobertas preciosas: “Seppi e Michael tinham a mesma ambição e a vontade de fazerem sempre o melhor. Eles eram o que um piloto deveria ser, autocríticos e não colocavam a culpa no equipamento. Mas Seppi está agora num estágio bem mais avançado do que Michael quando ele tinha a mesma idade. Michael tinha apenas 8 anos quando começou a competir no kart e teve que batalhar para conseguir tudo. Seppi já era campeão de kart e teve uma preparação adequada depois disso.