F2001

Rory Byrne: “O carro vem do F1-2000 e só ficou completo após 6 meses, devido à mudança tardia das regras. O trabalho começou em maio de 2000, que é tradicionalmente o momento em que as equipes começam os estudos preliminares. As restrições na parte aerodinâmica causou muitos problemas no desenho do F2001. A primeira vez que nós adaptamos as regras ao F1-2000, nós perdemos 20% de downforce. Em 2000, o carro não se comportava mal, mas nós tivemos mais dificuldades que nosso rivais – especialmente a Mclaren. O objetivo da nova configuração foi corrigir esses problemas”.

Michael Schumacher: “Comparado com o F1-2000, o F2001 foi um carro melhor em todas as áreas. Eu acho que o progresso que nós fizemos foi impressionante, como também o modo que nós o desenvolvemos durante a temporada. Desde a primeira vez que eu pilotei o F2001, eu sabia que seria um carro extraordinário. Era muito rápido, bem equilibrado e venceu corridas por mais de um ano”.

F2002

Rory Byrne: “Eu não considero beleza em primeiro lugar porque somente a eficiência conta.  Porém um carro vencedor é sempre bonito. Há sempre uma área em particular que pode ser melhorada. Nossos competidores tinham um pacote mais forte para a qualificação que não era tão competitivo durante a corrida. Se eu tivesse que apontar alguns elementos, eu diria que a nova transmissão e o sistema de resfriamento foram realmente competentes. Os novos exaustores foram concebidos devido ao fato dos sidepods serem muito baixos. Além do que o motor tem que manter sua exaustão bem alta. Teria sido díficil adaptar o sistema que nós tínhamos usado desde 98 no carro de 2002. Eu tenho muito orgulho do F2002”.

Michael Schumacher: “O carro foi rápido logo de cara, mas embora todo mundo ainda fale sobre ele, a diferença entre o F2002 e o carro de 2001 não foi tão grande quanto a diferença entre o carro de 2001 e 2000. O F2002 era uma versão desenvolvida do F2001. Ele foi perfeito de muitas maneiras. Era fácil de trabalhar com ele e nós fizemos um progresso espetacular em confiabilidade e desempenho. E ainda tinha ritmo para vencer por mais um ano”.

F2003-GA

Rory Byrne: “A integração do chassi, motor, caixa de câmbio e suspensão funcionou bem. O objetivo era criar uma unidade e não uma combinação de componentes. Ficamos mais velozes nas curvas rápidas e intermediárias, um mérito da aerodinâmica, porém nas curvas lentas não ganhamos nada. Como o carro estava melhor nas curvas rápidas, os pneus eram mais solicitados, o que aumentava a temperatura e assim o risco de perda de aderência, conforme constatamos nas curvas lentas. As equipes que tinham pneus Michelin começaram sua série de vitórias nas corridas em que adotaram um novo pneu com maior superfície de contato… Os adversários progrediram mais do que nós em 2003.”

Michael Schumacher: “Nós sabíamos que o F2003-GA era mais rápido do que o F2002, mas nós tivemos que esperar até a quinta corrida da temporada para provar isso. Era um carro bem bonito de se olhar e ótimo de se trabalhar. Ele se saiu bem nos primeiros testes e seu desempenho foi confirmado no GP da Espanha… Ele tinha uma distância maior entre os eixos do que o F2002 e uma melhor eficiência aerodinâmica, que ficava excelente quando se tratava de alta velocidade”.