David Coulthard anunciou nessa semana que irá se retirar das pistas de F1 no final do ano. E seu chefe Christian Horner disse que ele será uma espécie de ‘Schumacher’ na equipe. Então, talvez ano que vem, ele ainda marque presença no pitwall da Redbull como consultor.

Coulthard e Schumacher até que se davam bem fora das pistas, principalmente quando ambos lideravam a GPDA em busca de soluções para a segurança dos circuitos.

No GP de Mônaco de 1996, Coulthard percebeu que a viseira do seu capacete estava embaçando devido à chuva, e como ele não tinha nenhum reserva, pediu emprestado para Schumacher. E coincidentemente ou não, ele fez sua melhor corrida pela Mclaren naquele ano terminando em segundo.

Porém também houve alguns enroscos dentro da pista –  o mais famoso foi Spa em 1998. Quando Schumacher liderava a corrida sob forte chuva e ao ultrapassar o retardatário Coulthard com problemas no carro, bateu sua Ferrari na traseira da Mclaren. Michael ficou revoltadíssimo, ele tinha certeza que David havia reduzido o ritmo de propósito. Ao abandonar o carro foi tirar satisfação com escocês, mas foram separados pelos membros das equipes.

Os dados da telemetria não mostraram nada e a história terminou com um aperto de mão na corrida seguinte. Ponto final, será? Bem, eu diria antes tarde do que nunca. Pois em Nurburgring em 2003, Coulthard tomou um pouco do seu próprio veneno ao tentar ultrapassar o ‘inexperiente’ Alonso nas últimas voltas da prova; o espanhol freou um pouco mais cedo na curva e foi o fim da corrida para David.

Talvez tomado pelo remorso, Coulthard após 5 anos admitiu sua culpa no incidente em 1998: “Eu não vou ser duro com Alonso porque eu me recordo de Spa em 98 quando Michael bateu atrás de mim, e sua reação foi que eu tinha freado de propósito e tentado matá-lo. Os fiscais olharam na telemetria e não viram nada então isso foi varrido para debaixo do tapete. A verdade é que eu tirei o pé para deixá-lo passar mas eu fiz isso na trilha aonde tinha mais spray. Você nunca deve fazer isso. Eu nunca faria isso novamente. Em 1998, eu não tinha experiência e conhecimento – e nunca tinha ocorrido antes de alguém bater atrás de mim.”

Tenho certeza que muitos pilotos hoje em dia teriam esperneado com uma declaração dessas. Mas o cavalheiro alemão apenas agradeceu Coulthard por finalmente concordar com ele sobre o episódio em Spa.

“Eu estou feliz porque ele finalmente tem a mesma opinião que eu sobre o incidente” – disse Schumacher. “Isso aconteceu há muito tempo e não há mais nada a ser dito. Mas é bom ouvir que ele agora admite.” Assim como o próprio Schumacher também admitiu sua culpa pela manobra em cima de Villeneuve em 1997.

Fonte BBC

De qualquer forma, ainda restam os últimos dinossauros: Barrichello e Fisico. Quando eles irão pendurar seus capacetes e quem sabe, juntarem-se à turma do pitwall?